É colônia ou perfume? Saiba as diferenças

É colônia ou perfume? Saiba as diferenças
Publicado em: Biblioteca Olfativa

Há muitos anos, usar perfumes era algo bem diferente do que estamos acostumados hoje. Antes de as opções ‘colônia’ e ‘perfume’ existirem, o aroma vinha da queima de resinas, ervas e madeiras. A palavra perfume, inclusive, é originada do latim “per fumum”, que significa “por meio da fumaça”, em uma referência ao modo como se perfumava.

“As civilizações antigas queimavam essas substâncias, transformavam-nas em óleo perfumado e incensos para homenagear os deuses”, explica Débora Xavier, que é gerente de desenvolvimento de produto da Phebo. Além do uso para fins espirituais, "há a lenda de Cleópatra, que tomava banho de rosas como uma forma de sedução", relata a gerente. Assim, vemos várias formas de perfumar, mas não exatamente como usamos hoje.

O perfume, como é mais comum a nós, passou a existir apenas na Idade Média e no Renascimento e foi evoluindo pouco a pouco. Já a colônia, ou água de colônia, foi criada no século XVIII pelo imigrante italiano Johann Baptist Farina, ao diluir mais os óleos perfumados em álcool — e o nome se deve ao fato de ter sido criada na cidade alemã de Colônia.

Colônia ou perfume?

A diferença entre eles está relacionada à concentração do óleo de essência, o que interfere na duração da fragrância. Para entender melhor, listamos as porcentagens de cada um: 

  • Colônia: a concentração de essência varia de 6 a 8%
  • Perfume: acima de 10%, variando de acordo com as notas olfativas.

Importante saber que a quantidade de álcool de cada um deles é inversamente proporcional a de essência. Quando você tem muito álcool em um produto, terá uma fragrância mais diluída.

Além desses dois, há ainda a Eau de Toilette, cuja contração de essência é de 8 a 10%, entre a colônia e o perfume – e também é uma boa opção para climas quentes.

Tanto a colônia quanto o perfume levam apenas três ingredientes em sua composição: água, essência e álcool. Ou seja, é totalmente mito a existência de fixador entre os ingredientes. Na sequência, você verá mais detalhes sobre cada um deles.

Colônia

A primeira colônia, feita na Alemanha, usava uma base mais concentrada de álcool com óleos essenciais de limão, bergamota, lima e cedro, além de uma combinação de ervas. Na época, a mistura ficou conhecida como ‘água maravilhosa’ e se tornou objeto de luxo — durante os anos da Idade Média, os banhos eram mais raros, por acreditarem que a água trazia doenças. 

Hoje, mais de 300 anos após sua invenção, a colônia se popularizou e passou a ser um cheiro bem mais democrático do que na época em que foi criada. Dependendo de suas notas, sua fragrância é mais leve e traz frescor.

Qual é o tempo de duração?

Como sua concentração de essência é menor e a quantidade de álcool maior, a evaporação tende a ser mais rápida, o que faz com que ela dure menos no corpo: cerca de três a quatro horas — dependendo muito de cada pessoa. Entretanto, isso não é uma regra.

Como usá-la?

Você pode borrifar a colônia nos pulsos, no antebraço, atrás das orelhas ou no pescoço —partes do corpo com mais circulação. Também pode ser aplicada nos cabelos e até na roupa, que são lugares frios e contribuem para que o perfume dure mais.

A proposta da colônia tem a ver mais com abundância, por isso, geralmente, os frascos são maiores em volumetria e a fragrância mais suave que o perfume. É para retocar várias vezes ao dia sem medo!

Perfume

A criação foi bastante coletiva: os gregos antigos introduziram as primeiras técnicas de maceração, fazendo a imersão de determinadas substâncias em óleo quente. Já os árabes aperfeiçoaram a produção usando a destilação em alambiques.

A Água de Hungria foi a primeira fragrância à base de álcool europeia, criada no século XIV, no ano de 1370, por encomenda da rainha do país. Hoje, o perfume é o item com maior concentração de óleos essenciais, por isso, tende a ser mais forte e fixar por mais tempo em nossa pele. Bem comum em países europeus de clima mais frio, as fragrâncias mais opulentas também são queridinhas dos brasileiros.

Qual é o tempo de duração?

Por ser mais concentrado, a duração pode chegar a até oito horas. Isso, é claro, fica condicionado ao tipo de fragrância – quanto maior o peso molecular das notas, mais tempo ela permanece – e a algumas características pessoais, como a hidratação da pele (quanto mais hidratada a pele, maior a duração).

Como usá-lo?

Por ter notas menos diluídas em álcool e, consequentemente, ser mais intenso, vale a pena aplicar em alguns pontos nos quais a circulação de sangue é mais intensa, como atrás da orelha ou pulso, e em algum ponto frio, como antebraços e colo. Num modo geral, o perfume pede mais moderação que a colônia.

Então, a colônia dura menos tempo na pele?

Isso é muito variável, conforme Débora Xavier explica: “alguns fatores influenciam na fixação. Se você tem menos essência, que é um óleo, a duração será menor. Porém, o peso das moléculas de cada nota também influencia, assim como os hábitos de cada um”.

Cada nota de uma fragrância tem um determinado peso molecular, quimicamente falando. “As notas cítricas são leves e evaporam muito rápido. Agora, se você tem moléculas pesadas, por exemplo, de uma madeira ou resina, ela vai evaporar de forma mais devagar e a fragrância dura mais na sua pele”, explica Débora Xavier.

Dessa maneira, eventualmente, uma colônia amadeirada pode durar mais que um perfume cítrico. Outro fator importante para a fixação na pele é a qualidade dos ingredientes. Assim, ao optar por um produto, é interessante saber sobre a entrega final dele na sua pele.

O que fazer para a colônia ou perfume durar mais na pele?

Uma pele bem hidratada tem um poder mais alto de fixar a fragrância em comparação a uma ressecada. Por isso, guarde essa dica: se você quer que a fragrância dure mais, é superindicado passar um hidratante sem cheiro antes de aplicar a colônia ou perfume.

Os locais também são importantes. Para durar mais, borrife a fragrâncias em lugares de menor circulação sanguínea. E não se esqueça da personalidade da fragrância: como falamos, os perfumes com pesos moleculares menores, vão naturalmente evaporar mais rapidamente.

Entre colônia ou perfume, qual comprar?

Isso depende muito da sua intenção e é importante alinhar expectativas. “Cada fragrância tem um propósito. Em alguns casos, o objetivo é durar o dia inteiro na sua pele — então, ela será construída para isso. Em outros, principalmente no caso das águas de colônia, a função é trazer um frescor pós-banho, para uma sensação de conforto e bem-estar. Por isso, ela é leve e suave”, explica Débora.

Para que você fique mais tempo com a fragrância da colônia, a dica é levá-la sempre em sua bolsa e reaplicar uma ou duas vezes ao longo do dia, para seguir com a sensação de frescor e manter a fragrância na sua pele.

Seja colônia, seja perfume: cada produto é desenvolvido a partir de um objetivo. O fato é que, quando você opta por um item de alta qualidade, tem um resultado superior, independentemente de qual o escolhido. Além disso, lembre-se de que manter a pele hidratada prolonga a duração da fragrância em sua pele!

Gostou de saber sobre essas diferenças? Acompanhe a Phebo no @PerfumariaPhebo e nos conte qual é o seu favorito: perfume ou colônia!

Carregando...
5702 visualização(ões)

Colaborou para este conteúdo

Perfumaria Phebo
Perfumaria Phebo

Em 1930, os primos portugueses Antonio e Mario Santiago fundaram em Belém - no coração da Amazônia - a Phebo, uma perfumaria de altíssima qualidade e com fragrâncias marcantes e originais. O nome Phebo, o deus grego do Sol, foi escolhido para simbolizar o nascimento de uma nova Era da perfumaria brasileira. Com mais de 90 anos de história, a Phebo mantém a sua tradição de inovar com fragrâncias únicas e sofisticadas.

Comentários
Deixe o seu comentário
Seu endereço de e-mail não será publicado