Você sabe o que são as famílias olfativas?

Você sabe o que são as famílias olfativas?
Publicado em: Biblioteca Olfativa

Se tem um povo que adora um perfume, esse é o brasileiro. Aposto que você tem amigos e familiares que não saem de casa sem sua fragrância favorita, além de terem, praticamente, uma coleção em casa: um para cada ocasião.

É supernormal, no Brasil, uma pessoa ter mais de um perfume em casa. Somos o segundo maior mercado de consumo da perfumaria no mundo, segundo a Euromonitor, e o segmento que mais cresce dentro do mercado de beleza no país.

Mas será que o brasileiro conhece as principais características da perfumaria? Infelizmente, o assunto não é tão explorado no país e a gente acaba não tendo tantas fontes de informação confiáveis. Por isso, geram tantos mitos por aí – mas a gente está aqui para esclarecer todos!

Afinal, o que é Família Olfativa?

Você provavelmente já deve ter ouvido este nome. É uma das principais características de uma fragrância e diversas vezes confundida com a pirâmide olfativa – que a gente já explicou por aqui o que significa.

De forma prática, a família olfativa categoriza a fragrância pelas notas olfativas predominantes. “É como se ela categorizasse a fragrância pelo cheiro. É a forma mais fácil de saber o que é predominante nela”, explica Débora Xavier, gerente de desenvolvimento de produto da Perfumaria Phebo.

Com a família olfativa é possível reconhecer a personalidade da fragrância de acordo com sua pirâmide sem precisar sentir seu cheiro. Por exemplo: se em uma fragrância foi evidenciada a personalidade cítrica das notas olfativas mais que todas as outras, então, isso quer dizer que esta se enquadra numa família Cítrica. Ou, se a predominância de notas olfativas da fragrância é floral, então, ela se está numa família olfativa Floral.

Quais são as famílias olfativas?

Existem muitas! E cada Casa de Fragrância (empresas onde se encontram os perfumistas responsáveis por criar as essências de perfumes e colônias, além de lançarem novidades constantes de matérias-primas e tendências do mercado) trabalha, geralmente, com as suas próprias divisões.

Mas é claro que existem as principais, que são mais conhecidas. E também existem as subdivisões das famílias (como as Fougère e Chipre). Há, ainda, diversos casos em que mais de uma família é predominante na fragrância, como “Floral Amadeirado”. Isso representa a que a família mais importante da fragrância vem primeiro (no caso, o Floral) e, em seguida, a segunda família de maior predominância (o Amadeirado).  

Conheça as principais:

Aromática: é um grupo especial de ingredientes herbais geralmente usadas na culinária. São frescas e leves, como o nome já diz, muito aromáticas.

Floral: é uma família muito rica olfativamente e, em sua maioria, a favorita entre as mulheres. De forma sintética ou natural, costumam ser elegantes e ter muita personalidade, podendo oferecer delicadeza ou sensualidade – depende da forma como o perfumista vai explorá-las.

Cítrica: são notas leves e frescas. Geralmente, são elas que dão aquela sensação revigorante quando aplicadas. Por serem notas mais voláteis, precisam de uma reaplicação maior.

Frutal: muito versátil, pode ter sua personalidade explorada de diversas formas de acordo como cada nota da fruta é usada. Geralmente, promove uma sensação vibrante e de jovialidade.  

Amadeirada: presente quase que unanimemente nos perfumes masculinos, é geralmente usada como base em perfumes sofisticados e elegantes. Dependendo da nota, podem seguir uma personalidade mais seca ou cremosa, e também são ótimos aliados de perfumes florais. 

Especiaria: os temperos oferecem uma personalidade forte na perfumaria. Podem ser quentes, como a canela e o cravo, que dão uma característica mais rústica e envolvente; enquanto também podem ter uma personalidade mais fria, com o gengibre e o cardamomo, que têm características mais vibrantes e efervescentes.  

Oriental: é a junção de diversas notas de característica quente, envolvente e sensual, como as resinosas, balsâmicas e especiadas. 

Gourmand: palavra que faz referência à “gula” do francês e que, na perfumaria, traz a ideia de itens da gastronomia que fazem salivar. Como notas olfativas, geralmente, são mais quentes e cremosas, e promovem uma sensação confortável e mais adocicada na fragrância.

Família Olfativa x Pirâmide Olfativa

A pirâmide olfativa nada mais é que uma forma de destacar as principais notas olfativas da fragrância. Todo perfume ou colônia tem uma família olfativa definida de acordo com as notas da pirâmide. Uma complementa a outra como forma de facilitar a compreensão da fragrância.

Um perfume pode ter mais de 150 notas olfativas diferentes. Com a pirâmide é possível ver quais notas são predominantes da criação – como bergamota, rosas, lavandas, cedros, musks etc, por exemplo; e a família olfativa nos mostra como reconhecer a personalidade da fragrância de acordo com as notas, como Floral, Gourmand ou Oriental.

De forma mais clara: é possível que duas fragrâncias tenham a mesma pirâmide, mas é a família olfativa que destaca qual é a sua personalidade de acordo como as notas da pirâmide foram exploradas pelo perfumista.

As notas da pirâmide olfativa são categorizadas desta forma:

Notas de topo (saída ou cabeça): são notas mais leves, de menor peso molecular e mais voláteis. Geralmente, são as que você sente primeiro, mas também são as que evaporam com mais rapidez, como cítricos e verdes, por exemplo.

Notas de corpo (ou coração): são as notas com um peso molecular um pouco maior e que aparecem com maior evidência depois de alguns minutos após a aplicação da fragrância na pele. Geralmente, são as notas que realmente dão a personalidade do perfume, como os florais e frutados.

Notas de fundo: como o nome já sugere, são as notas que permanecem por muito mais tempo que as outras. O peso molecular dessas notas são maiores e costumam ser menos voláteis. É aquele aroma mais denso que você sente por mais tempo na sua pele, tais como os amadeirados e ambarados.

Usando como exemplo o nosso perfume Fava Tonka, a personalidade dele pode ser reconhecida desta forma:

Família Olfativa: Oriental Verde (em ordem de predominância, as notas orientais estão mais em evidência do que as notas verdes).

Pirâmide Olfativa:

  • Notas de saída: cassis, lima e bergamota
  • Notas de corpo: fava tonka, baunilha e benjoim
  • Notas de fundo: musk, sândalo e cedro

De acordo com a pirâmide, o perfume foi classificado com Oriental Verde por conta das notas de fava tonka e baunilha, que são especiarias mais adocicadas e de maior predominância no perfume. O verde fica por conta da cassis e da bergamota, que tiveram esta característica mais explorada e evidenciada nesta fragrância.   

Entendendo as notas olfativas

Reconhecer em que cada categoria uma nota olfativa se enquadra é uma tarefa superdifícil. E a única fórmula para isso é a prática e a vivência com o universo da perfumaria. Ou seja, apenas sentindo o cheiro de cada nota (e, atualmente, existem mais de 1500!!!) para entender com facilidade toda a pirâmide.

Há casos em que, para se formar uma família olfativa, é preciso uma junção de diversas notas com características parecidas, como é o caso da família Oriental (que é uma combinação de notas quentes, especiarias e de personalidade mais “sensual”).  

Para facilitar e conseguir transmitir onde as notas olfativas se enquadram, destacamos algumas das principais famílias e respectivas notas aqui abaixo:

Aromática: lavanda, sálvia, hortelã, manjericão, tomilho, alecrim, eucalipto etc.

Cítrica: bergamota, limão tahiti, limão siciliano, pomelo, grapefruit, litsea cubeba, tangerina, nectarina etc.

Floral: flor de cerejeira, frésia, peônia, rosa, ylang ylang, lírio, muguet, gardênia e flores brancas (como jasmim, tuberosa e flor de laranjeira) etc.

Frutal: amora, maçã, guaraná, Lichia, morango, figo, pêra, abacaxi, pêssego etc.

Amadeirada: cedro, sândalo, vetiver, pau-rosa, madeira thanaka, mogno, carvalho etc.

Especiaria: canela, cardamomo, noz moscada, pimenta, alcaçuz, cravo etc.

Gourmand: açúcar mascavo, baunilha, fava tonka, caramelo, mel, chocolate, coco, amêndoas etc. 

Como reconhecer um bom perfume

Essa é uma tarefa ainda mais difícil de entender do que todas as especificações que falamos acima. Isso porque, para reconhecer se um perfume é de qualidade, você precisa sentir seu aroma e testá-lo na sua pele.

Mas é bom ter na cabeça uma coisa importantíssima: não é porque uma fragrância específica não durou tanto na sua pele que faz dela um produto ruim. Existem diversos fatores que qualificam e categorizam os perfumes.

Um deles, inclusive, pela característica da sua própria pele: quanto mais seca a pele for, mais rápido o perfume evapora. Por isso, se sua pele tiver uma característica ressecada, passe sempre um hidratante sem cheiro antes de aplicar o perfume ou colônia.

Outra característica importante de um bom perfume é se ele passa pelo processo da maceração. Esse processo nada mais é que um descanso depois a mistura da fórmula do perfume (água, essência e álcool) para que as notas fiquem ainda mais intensas e encorpadas, além de se misturarem com mais eficiência, deixando a fragrância mais “madura” e harmônica.

Por fim, e talvez uma das características mais importantes, é a interferência do álcool. Embora aconteça de você sentir uma leve "picadinha" do álcool logo assim que você aplica, é importante que ele não seja mais forte que as notas olfativas da fragrância. Um álcool sem qualidade pode transformar totalmente o perfume ou a colônia. 

Carregando...
4216 visualização(ões)

Colaborou para este conteúdo

Perfumaria Phebo
Perfumaria Phebo

Em 1930, os primos portugueses Antonio e Mario Santiago fundaram em Belém - no coração da Amazônia - a Phebo, uma perfumaria de altíssima qualidade e com fragrâncias marcantes e originais. O nome Phebo, o deus grego do Sol, foi escolhido para simbolizar o nascimento de uma nova Era da perfumaria brasileira. Com mais de 90 anos de história, a Phebo mantém a sua tradição de inovar com fragrâncias únicas e sofisticadas.

Comentários
Deixe o seu comentário
Seu endereço de e-mail não será publicado